Francisco Oliveira, 100 Anos

 
Francisco de Oliveira, em breve centenário, encontrou na fotografia de estúdio a profissão que viria a exercer durante a sua vida. Após um período de aprendizagem com alguns dos mais antigos fotógrafos de Portimão, entre os quais o retratista “Dias Fotógrafo” e o paisagista Luís Urbano Santos, em 1940 abriu, junto da Igreja Matriz, o seu estúdio, onde se iniciou nos retratos.
 
Em 1948, mudou-se para o seu estabelecimento de fotografia, na rua 5 de Outubro, composto por loja, estúdio, laboratório onde permaneceu até ao final da sua actividade.
 

Embora se tenha assumido como fotógrafo profissional de estúdio, onde tirou inúmeros retratos, fotografias “tipo passe”, não deixou de captar a atmosfera urbana de Portimão e através do seu espólio revela-nos os diversos modos de olhar a cidade durante a década de 50 até aos finais dos anos 70 do século XX.

Instantes da vida quotidiana da cidade, pormenores dos espaços e formas da paisagem humana, testemunhos do constante movimento de uma época, que em 2011 o Museu de Portimão partilhou através de uma exposição intitulada “Uma Cidade 2 Fotógrafos”, dando o devido destaque aos trabalhos de Francisco Oliveira e Júlio Bernardo e permitindo ao público apropriar-se de um outro tempo, percebendo melhor a identidade de Portimão e revivendo referências desaparecidas da nossa memória colectiva.

(25 de Julho 2018 a 10 de Agosto 2018)


                                                                                                                                      logoCmp


@2018 - Sítio oficial do Museu de Portimão. Todos os direitos reservados.