As carrinhas de Portimão

 

Saídos de um mundo rural em lenta evolução, em que as estradas eram simples caminhos ou veredas que se percorriam a trote, estes veículos regionais de tração animal, para transporte de passageiros, asseguravam a ligação entre lugares e povoações do Algarve, marcando os vários percursos quotidianos.

Em Portimão constituíram-se como verdadeiros “táxis populares”, eleitos pela população nas mais diversas situações, desde casamentos, passeios, festejos, romarias, feiras, realização de pequenos fretes e trajetos na cidade, e arredores.

A famosa “carreira” de carrinhas Portimão – Praia da Rocha, celebrou até ao final dos anos 70, do século XX, a chegada do Verão e o início da época balnear. Com grande procura por parte da população local, ficariam contudo bastante afamadas entre os turistas, a partir da década de 60. O Largo do Dique, construído entre 1928/30, era o ponto de partida de onde se faziam à antiga estrada para a Rocha.

Uma viagem da Rocha a Portimão custava 10 tostões. A carrinha ia cheia. Entrava uma pessoa mas o homem esperava sempre que chegasse mais alguém. Portanto, quem estava na carrinha, tinha que esperar que aquilo enchesse. Chegando à curva do convento, coitado do animal. Tinham que ir todos para a frente – “cheguem-se à frente!”, dizia o homem, para o animal conseguir puxá-los. Anita Feu

 (26 de setembro a 15 de Novembro de 2009)


                                                                                                                                      logoCmp



@2018 - Sítio oficial do Museu de Portimão. Todos os direitos reservados.