José Tengarrinha - A outra face da moeda

 

A exposição temporária “José Tengarrinha – A outra face da moeda”, inaugurada em dezembro de 2013, no âmbito das comemorações do Dia da Cidade e, para a qual, muito contribuíram desde a primeira hora, os seus filhos Margarida Tengarrinha e José Manuel Tengarrinha, apresentou a face artística de uma personalidade local: José Mendes Tengarrinha Júnior.

Nascido em 1894 em Loulé, ficou conhecido na sociedade da altura pelo seu cargo à frente da gerência da filial do Banco de Portugal em Portimão, entre 1925 e os anos cinquenta, época em que a cidade vibrava pelo impulso comercial e industrial que vinha vivendo. No entanto, José Tengarrinha desenvolvia uma outra faceta menos visível que esta exposição destacou: a de fotógrafo e de pintor.

As paisagens rurais do Algarve, como Monchique, as Caldas, o Cadoiço de Loulé ou Odelouca e costeiras, como Sagres, constituíram temas por si percorridos e registados. Os seus enquadramentos parecem relevar a grandiosidade e beleza de cenários naturais como a Praia da Rocha e as suas falésias, um dos locais que mais fotografou e pintou.

É em Portimão que o gosto pela pintura mais se começa a desenvolver aperfeiçoando a sua técnica e estilo no campo do Naturalismo, como referiu Margarida Tengarrinha: “O meu pai insere-se na terceira fase do Naturalismo, que é altamente tardia, e entra um bocadinho no Impressionismo. Quando já existia o Eduardo Viana, o Sousa Cardoso e toda essa onda de Modernismo, houve uma geração na qual se enquadra o Falcão Trigoso, o Samora Barros, que não sai do Naturalismo e o meu pai estava na onda de influência destes últimos."

 (10 de dezembro de 2013 a 27 de abril de 2014)


                                                                                                                                      logoCmp



@2018 - Sítio oficial do Museu de Portimão. Todos os direitos reservados.